Como manter o equilíbrio em tempos de incerteza



Diante de tantas incertezas, é comum nos sentirmos perdidos, ansiosos e com medo. O nosso lado mais sombrio vem à tona e nos tornamos egoístas, individualistas e autocentrados. Agimos de forma irracional e ignoramos o nosso impacto no mundo. Mas, da mesma forma que um cidadão contaminado foi o gatilho para essa pandemia, cada um de nós tem um papel igualmente importante no que virá a seguir. É preciso que sejamos capazes de manter a calma, a sensatez e a razão. Fazendo ou não parte do grupo de risco, você e eu devemos zelar pela saúde e bem-estar de toda a população mundial. Imagine se, por um dia, deixássemos de pensar no que é bom só para a gente e nos ocupássemos com o que é bom para o outro e para o todo. E se isso pudesse se estender por uma semana, um mês? Ou pela nossa vida toda? Olha só que oportunidade o #coronavírus traz em sua existência invisível e destruidora. Um agente infeccioso diminuto, chacoalhando o nosso estilo de vida, a econômica global, os nossos relacionamentos e interações profissionais. Nos ensinando que devemos ser mais cuidadosos com a nossa saúde, que podemos ser produtivos trabalhando no sofá de casa e que a nossa noção de tempo anda bem desregulada. Uma pandemia que tira a nossa tranquilidade porque mexe com as nossas crenças mais profundas. Contamina nosso corpo e nossa mente na mesma proporção e rapidez. Nos mostra que não estamos no controle de nada. Que dinheiro, sucesso e fama não afastam doença e morte. Somos todos iguais e precisamos aprender a cuidar uns dos outros. Nesse momento, isso pode significar o isolamento, o estoque consciente, a ajuda aos mais vulneráveis ou o autocuidado. Lembre-se dos mais velhos, das pessoas fragilizadas e dos que não puderam encher o freezer de congelados e o armário do banheiro com papel higiênico. É tempo de cultiva compaixão e se perguntar a cada momento: como posso estar a serviço?

498 visualizações

© 2017 por Thais Requito.